quinta-feira, dezembro 27, 2007

Prometeu agrilhoado [2]

.
Gustave Moreau, Prometheus (1868)

.
Por castigo desciam os abutres pela matina para lhe bicarem o fígado, lhe dilacerarem as entranhas; com a noite chegavam as tréguas, regeneravam-se os tecidos, cauterizavam-se as feridas para que no dia seguinte se cumprissem as mesmas façanhas. Mas porque raio o fígado e não outro órgão? É que talvez o mito até saiba uns elementos de fisiologia (e possivelmente de noitadas também): dos diversos órgãos é precisamente o fígado o que mais resiste até às últimas.
.

1 Comentários:


Blogger José Eduardo Lopes disse...

1 - chalaceiro: Prometeu era um gajo bacano e generoso, tinha bons fígados. 2 - filosófico: sendo o abutre, uma ave necrófaga, porque diz o mito que o fígado se regenerava durante a noite? 3 - simbólico: o fígado produz o fel e é o motor da cólera, fazendo os abutres devorarem o fígado de Prometeu, Zeus precavia-se contra a sua revolta, que poderia quebrar as cadeias e desafiar a sua hegemonia.

29/12/07, 20:52  

Enviar um comentário