quarta-feira, abril 23, 2008

Narradores de viagem

.

Ao fim de cada viagem expandimos em nós as gavetas, o álbum a abarrotar de excertos cuja análise de tão néscia adiamos, consentindo que bóie em reservatório estanque. A insegurança dos dias... que bem que justifica o fiel desvio. Paramos frente ao mostruário onde nos fascinam recordações. Em saldo tenta-nos o caleidoscópio que nos baralha. Entramos e somos abordados. Que sentido extraímos do paleio do vendedor? Sem que ele o saiba, sem que o saibamos, impinge-nos vigarices. Convence-nos que a pilha de imagens é partilhável, transmissível a quem não nos acompanhou em viagem.
.

7 Comentários:


Blogger pin gente disse...

era uma vez, num regresso de uma viagem,...

fico à espera da partilha

abraço
luísa

24/04/08, 18:18  

Blogger verdades_e_poesia disse...

Concordo com a pin gente. Conta lá as tuas viagens...

25/04/08, 02:33  

Blogger papel químico disse...

os vendedores apanham-nos o ponto fraco, é certo. mas gosto de ter uma ou outra gaveta cheia de unguentos inúteis, literaturas dobradas ao contrário dos vincos (e que já não cabem nas caixas) folhetos com promessas de outras viagens. abro-as de vez em quando.

12/05/08, 17:43  

Blogger Maria P. disse...

Não há regresso?...

Beijinhos*

14/05/08, 22:46  

Anonymous Inês Leitão disse...

e apetecia-me um chá.

22/05/08, 16:47  

Blogger Cláudio disse...

Obrigado por teimarem em trazer vida a este espaço moribundo. Abraços e beijinhos.

26/05/08, 00:06  

Blogger Toni disse...

Apeteceu-me um comentário. Ao espaço nada moribundo, deixo a narrativa de um qualquer viajante de blogs: só é possível partilhar a vivência de um espaço alheio se de facto o vivemos igualmente.

03/06/08, 23:33  

Enviar um comentário