domingo, maio 25, 2008

Cidades Invisíveis ou Cesariana

.
De noite, os colossos talhados em pedra
travestem-se em fantasmas de betão.
Apêndices de néon piscam ao longo das vias
as suas altas silhuetas de espectros.
Nos troncos altos cravados de balas
apagam-se luzes, reacendem-se fogos,
derrama-se a seiva coalhada das últimas horas
sobre tantos seres, sobre tantas vidas
quanto as que se entalharam por esses ramos fora.
A folhagem verde de uma gelosia que ainda desce,
cicia ao vento a sua verve impaciente pelo novo dia,
mas a cirurgia adensa-se e prolonga-se
no bloco operatório do bairro oeste.
Na sua fase mais delicada a noite saca
do bisturi providencial com que golpeia
os retículos das fachadas a china-clay.
A ramagem queda-se muda na maca:
silêncio pétreo de corpo inerte, anestesiado.
E uma a uma dos corpos-múmia,
por mãos assépticas e enluvadas,
são removidas as balas cravejadas
esterilizadas em finos sonhos de látex.
A ferida, essa, cose-se com a bruma,
para enfim vir a sarar num sono estéril.
.

4 Comentários:


Blogger * disse...

como é que eu me deixo que o tempo me deixe ter tantas saudades tuas. como é bom que voltes. tão tu.
a dizer coisas que antes não tinham forma de ser ditas.

26/05/08, 00:16  

Blogger papel químico disse...

gostei muito deste sonho de porcelana :)
bem-vindo!

13/06/08, 12:35  

Blogger BAR DO BARDO disse...

Você se perdeu nos quinhentos e aportou no século 21?

21/02/09, 14:24  

Blogger ANA disse...

Gostei daqui...bastante!

04/10/10, 02:06  

Enviar um comentário